Dá para ser muito feliz consumindo menos

126. Sempre o lixo

Informações interessantes e muitas dúvidas quando o assunto é reciclagem.

São Paulo terá sua 4ª Conferência Municipal de Meio Ambiente de 30 de agosto a 1º de setembro, em que participarão representantes da sociedade civil, do poder público e do empresariado. Eu me candidatei a delegada e, numa votação em que havia mais vagas do que pretendentes, ganhei a incumbência. (Quando escrevo que sou delegada fico me  imaginando com uma estrela de xerife pendurada na camisa, só que verde para combinar com o tema eco.)

Essa conferência terá como tema “Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos no Município de São Paulo”. Então lá fui eu para um dos encontros preparatórios ouvir representantes da indústria e do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis. Descobri Informações Interessantes (INF. INT) e fiquei com mais Dúvidas (???) do que já tinha sobre a viabilidade econômica e ambiental da reciclagem. Vamos a elas:

INF. INT - De acordo com André Vilhena, o representante da CEMPRE (Compromisso Empresarial para a Reciclagem), um grande entrave para o setor é a carga tributária sobre o produto reciclado. A Confederação Nacional da Indústria está pedindo ao governo revisão desses tributos e, de quebra, um acordo que beneficie as embalagens de modo geral.

??? - Peraí, estão falando em embutir incentivos a embalagens descartáveis na conversa da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que prioriza a redução da produção de lixo e a reutilização de materiais? Será que ouvi direito?

INF. INT - O representante da Abividro (Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro), Lucien Belmonte, afirmou que a entidade garante a retirada e reciclagem do vidro, desde que a quantidade oferecida seja acima de 4 toneladas e o local esteja a menos de 130 de uma das fábricas afiliadas. Também confirmou o interesse da indústria em reciclar 100% do vidro, pois a emissão de gases do efeito estufa nesse caso é menor do que a fabricação a partir de matéria prima retirada da natureza. De acordo com ele, mais da metade do consumo de embalagens de vidro no país se concentra em bares, hotéis e restaurantes, que ainda não montaram um sistema de logística reversa. Ainda comentou que cerca de 30% da vodca e do uísque consumidos no país é falsificado, pois as embalagens separadas para a reciclagem muitas vezes tomam o mau caminho.

??? – Simplesmente o fabricante da bebida recolher, lavar e recolocar a mesma garrafa no mercado, como ocorria até uns 30 anos atrás, não é muito mais sensato do ponto de vista econômico e ambiental? Por que não se investe nessa alternativa?

INF. INT - Hermes Contesini veio falar em nome da Abipet (Associação Brasileira da Indústria do PET). Revelou que 90% do PET consumido no Brasil embala refrigerante, água mineral e óleo de cozinha. A reciclagem vem crescendo, mas empaca na dificuldade de recuperar o plástico que foi para o mercado e acaba no lixão ou aterro sanitário. Cada brasileiro está consumindo em média 3 kg de PET ao ano e nos Estados Unidos são cerca de 8 kg. Por isso, a indústria estima que o mercado ainda está em expansão. Para completar uma tonelada de PET são necessárias aproximadamente 20 mil garrafas (descobri no site da CEMPRE que a indústria paga cerca de R$ 1.700 por essa quantidade, desde que devidamente limpa e prensada). A indústria têxtil é a que mais consome PET, pois o material foi desenvolvido inicialmente para substituir o algodão em tempos de penúria pós-guerra. O Japão é um grande consumidor de PET, mas não recicla absolutamente nada. Envia todo o resíduo para a China, que o transforma em roupa barata para exportação. A Anvisa não está liberando o PET reciclado para embalagem de alimentos. Há apenas um projeto de transformar garrafa em garrafa atualmente acontecendo no Brasil: o Bottle to Bottle do Guaraná Antarctica (http://www.ecodesenvolvimento.org/posts/2012/novembro/guarana-antarctica-lanca-embalagem-brasileira ).

??? – Quer dizer que a indústria está sonhando em mais do que duplicar o consumo de PET no Brasil? Com isso as praias vão ficar ainda mais forradas de plástico do que já são? Quer dizer que aquela roupitcha baratinha da José Paulino é feita com lixo japonês? Por que será que a Anvisa não quer liberar o PET reciclado para embalagens? Quais seriam os riscos para a saúde? A dificuldade em recuperar o PET para a reciclagem não seria devido ao preço baixíssimo que a indústria paga pelo material (200 garrafas limpas, prensadas e amarradas = R$ 17)?

INF. INT: Luzia Honorato, do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, contou que os catadores não conseguem sobreviver apenas da venda do material. Pelo vidro, por exemplo, estão conseguindo cerca de R$ 0,10 por quilo. Para viabilizar a atividade é preciso que os trabalhadores sejam remunerados também pelo serviço de coleta e separação dos materiais. Os caminhões de coleta da prefeitura compactam a carga de modo que quase 50% fica impossível de reciclar. Isso tudo vai para os aterros, apesar do esforço das pessoas em limpar e separar em casa. Sistemas de coleta alternativos ou a entrega voluntária do material em cooperativas e supermercados são opções melhores. Ainda há ignorância e desrespeito em relação à coleta seletiva e até cadáveres de animais de estimação apodrecidos chegam com frequência às cooperativas. A Lei de Zoneamento do município não permite a instalação de cooperativas praticamente em local algum.

??? – Já que o dinheiro que recebem com a venda do material reciclável é irrisório, quem vai pagar o salário de que os catadores precisam para viver? Se a maioria das pessoas acha a reciclagem uma solução mágica para o problema do lixo, por que as cooperativas não conseguem espaço para se estabelecer na cidade?

INF. INT - Lá pelas tantas, Rachel Moreno, ativista e nova amiga, que estava na plateia, questionou um dos palestrantes dizendo que até  70% do preço de um produto corresponde à embalagem (informação que ninguém contestou).

??? – Por que ainda existe embalagem descartável?

Ótima entrevista do professor Ricardo Abramovay sobre o tema: http://cbn.globoradio.globo.com/colunas/cidades-sustentaveis/CIDADES-SUSTENTAVEIS.htm#ixzz2bTo6SbP3

Você também poderá gostar de:

6 Comments to 126. Sempre o lixo

  1. Ana Paula's Gravatar Ana Paula
    4 de agosto de 2013 at 4:56 | Permalink

    Oi Cláudia,
    Infelizmente, a tendência maior no mundo sobre o fim de vida das embalagens esta na reciclagem da matéria (PET, vidro, PEHD, etc…) que se sobrepõe à antiga maneira de levar de volta a garrafa vazia ao comerciante que a vendeu, em troca de algumas moedas…(reutilização, consigne)
    Esta pratica ainda existe em alguns lugares. Eu vi na Alemanha alguns distribuidores automáticos de bebidas que recolhem as garrafas vazias. Na Alemanha este sistema de reutilização direta convive com a reciclagem. Cada um vê vantagens nos dois tipos, que, convenhamos, sao melhores do que terminar no aterro sanitário.
    Você e os industriais também se perguntam como e quem vai pagar pela reciclagem. Aqui na França, quem paga pela reciclagem é o consumidor. Quando você compra por exemplo, um aparelho elétrico, potinho de iogurte ou garrafa de PET, (ou daqui à pouco um sofá), você paga uma taxa inclusa de reciclagem (alguns centavos).
    Quem controla isso tudo sao os organismos privados chamados “eco-organismes” que tem as contas controladas pelo estado. (por exemplo, http://www.ecoemballages.fr/) Os eco-organismos recolhem as taxas dos produtores, fabricantes e importadores de matérias texteis, elétricos e eletrônicos, embalagens em geral. Existem critérios de preços, se uma embalagem é feita de múltiplos tipos de materiais, dificultando sua recliclagem, o preço da taxa sera mais caro. Este dinheiro recolhido pelo eco-organismo é distribuido às empresas que recolhem (coletam) e reciclam.
    Tudo isso porque aqui o preço da mao de obra necessária para a reciclagem custa caro e o preço da tonelada reciclada nao cobre os custos da coleta, transporte.
    Cada país tem a sua economia e nao existem esquemas prontos à aplicar. E matéria de lixo, cada cidade, cada regiao tem características diferentes e o Brasil nao pode aceitar soluçoes prontas vindas de fora.
    Este é o meu trabalho aqui na França, pode me passar perguntas, se eu puder, responderei. Gostaria muito de ir à conferencia, mas nao poderei, entao estou indo à distancia! :)
    Desculpe pelo português, perdi um pouco o habito!

  2. Lorenza's Gravatar Lorenza
    5 de agosto de 2013 at 15:25 | Permalink

    BOm, só queria esclarecer uma coisa citada por você aqui acima “O Japão é um grande consumidor de PET, mas não recicla absolutamente NADA. Envia todo o resíduo para a China, que o transforma em roupa barata para exportação.”
    Achei estranho pois tive contato direto com Japoneses falando das suas práticas e inclusive vestidos com roupas produzidas, mas fiz uma busca rápida, uma das primeiras coisas que encontrei exatamente no site DO CEMPRE foi:
    “Em 2009 O Brasil alcançou novamente o segundo lugar na reciclagem do PET, perdendo apenas para o Japão que reciclou 72,1%.”
    http://www.cempre.org.br/ft_pet.php

    Então fiquei meio confusa em relação à sua afirmação anterior.

  3. Benjamin Prizendt's Gravatar Benjamin Prizendt
    7 de agosto de 2013 at 12:31 | Permalink

    Cláudia
    Realmente a primeira opção em relação ao lixo é EVITAR sua geração. E, em relação às bebidas, o mais saudável e gostoso é COMER A PRÓPRIA FRUTA (a “embalagem”/ casca é totalmente reciclável pela natureza). Ocorre que a indústria dos sucos e refrigerantes surrupiou esse direito da gente (LUCRO! LUCRO! é tudo que esse pessoal sabe gritar …).
    Mas, os governos locais deveriam incentivar alimentação saudável e plantio urbano inclusive de árvores frutíferas!

  4. 2 de setembro de 2013 at 23:42 | Permalink

    É uma inversão completa de conceitos o que o eco-capitalismo está tentando fazer no setor de resíduos sólidos. E sempre os de cima querem dar um jeito de lucrar mais, deixando os prejuízos para os de baixo. Mais pet per capita? Significa mais crianças obesas e acostumadas ao desperdício de matéria prima em forma de embalegens de bebida artificial!!! Vamos deixar essa gente gananciosa das indústrias decidir sobre o futuro de nossa sociedade? O bolso deles agradecerá e nossa saúde coletiva e individual chorará amargamente. Precisamos dar o recado, mas para isso é preciso sair da zona de conforto da cultura do descartável e do lixo que some de casa como mágica! Valeu, Clau, muito boa matéria!!!

Deixe um comentário

You can use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Simplesmente

Dá para ser muito feliz consumindo menos.

Visitantes no blog

  • 384619Visitas:

RSS

Assine este feed

Posts por categoria