Dá para ser muito feliz consumindo menos

23. Ianomâmis são sustentáveis. Eu não.

Mesmo com uma horta em casa e mil preocupações ambientais, o impacto ecológico que produzo no planeta é semelhante ao de todo mundo.

Agora que lancei esse blog, algumas pessoas dizem ficar um tanto constrangidas com meu jeito ativista de ser, pois não se consideram muito ecológicas. Então deixo registrado que não tem essa de “ser sustentável”. Na sociedade em que vivemos isso é impossível.

A economia planetária gira em torno do consumo e isso tende a se acentuar. Por enquanto, apenas uma pequena parcela da humanidade consome para valer. Ainda existem milhões de pessoas miseráveis que não tiram da natureza nem o mínimo para uma vida decente. Felizmente, na China, na Índia e no Brasil também, muita gente começa a ter acesso a alimentos suficientes, roupas, remédios, brinquedos, casa, transporte etc. Esse é um fato para ser comemorado. Ao mesmo tempo, significa que os problemas ambientais vão piorar daqui para frente.    

Pensando em ecologia, eu não tenho muito do que me orgulhar. Ando de carro, quase tudo o que compro viaja muitos quilômetros e ainda por cima vem numa embalagem descartável. Tento reduzir a pegada ecológica da família com a horta em casa, a compostagem do lixo orgânico, o uso esporádico do transporte público, o reaproveitamento de produtos e o controle atento de tudo o que entra na lista de compras. Acabei descobrindo que é um grande prazer cultivar a salada no quintal, mexer na terra, alimentar as minhocas, ir a um compromisso de bicicleta e arrumar os armários. São atividades que ocupam algumas horas por semana, é verdade, e nunca sobra tempo para ver TV (que maravilha!). O trabalho de microfazendeira urbana e dona-de-casa muquirana acabou se transformando num passatempo bem divertido.

Fiz esse blog porque os temas ecológicos ficam rondando os pensamentos e me faz bem trocar figurinhas com outras pessoas. Nenhum de nós vai chegar à perfeição do ianomâmis, que vivem da caça e da coleta, não interferem no ecossistema e não produzem lixo nem poluição. Mas está na hora de pensar mais sobre o futuro do planeta.

Você também poderá gostar de:

10 Comments to 23. Ianomâmis são sustentáveis. Eu não.

  1. 20 de maio de 2010 at 10:36 | Permalink

    Oi, Claudia, tudo bem?
    Parabéns pelo Blog! Inspirado por ele, estive a refletir — como dizem os portugueses, — sobre a questão do consumo exagerado e às vezes compulsivo como um comportamento insustentável (leia-se essa palavra despida de todo o modismo e falso glamour politicamente correto que vem “poluindo” sua força. Acho que usam tanto essa palavra de modo tão descompromissado que a crítica que ela oferece acaba se esvaziando). Enfim, o que eu gostaria de dizer é que talvez fosse interessante discutir por que consumimos tanto. O que está por trás dessa voracidade? Haveria questões psicológicas envolvidas? Depois de muitos anos de análise, percebo como grande parte dos meus comportamentos neuróticos (quem não os tem que atire a primeira pedra) tem origem em reações instintivas inadequadas e desproporcionais a situações de stress, angústia, medo, abandono etc., especialmente aquelas vividas na infância, quando temos pouca ou nenhuma capacidade de elaborar e compreender o que se passa dentro da gente com equilíbrio e isenção.
    Sabe aquela vontade que dá de colocar israelenses e árabes no divã? Ou mesmo pegar os dois pelas mãozinhas e dizer: “vem aqui crianças, não precisa brigar, mamãe gosta muito de vocês, dá pra todo mundo brincar junto”? Pois é, meio por aí. Por favor, não entenda que estou a propor — olha o português aí — que os palestinos devam desistir de seu legítimo direito às terras surrupiadas pelo israelenses, nem deixar de lutar contra a injustiça da situação etc. Estou apenas tentando chamar atenção para a importância do componente psicológico em nossos comportamentos inadequados, violentos, exagerados, reativos, destrutivos, insustentáveis.
    Tenho certeza de que devo estar chovendo no molhado, e que isso já deve ter sido amplamente discutido, mas sempre me chama a atenção como, no geral e pincipalmente no noticiário, ninguém pergunta: o que leva um cidadão a esfaquear o outro num bar na periferia? Por que os PMs resolveram trucidar o motoboy na frente da mãe do pobre coitado? Por que um cara que ganha salário mínimo fica tremendamente tentado a entrar pro crime? (essa é fácil, né? Não perguntam porque não querem ouvir a resposta e fazer alguma coisa pra mudar, óbvio!) Por que, mesmo com toda a informação do mundo sobre anti-concepção e DSTs, milhares de adolescentes ainda transam sem proteção e ficam grávidas? Parece uma coisa assim: ou o sujeito é do mal, ou é burro, ou é psicótico e ininputável. Não tem meio termo, não?! Não somos todos um pouco loucos, e não seria bom olharmos para a nossa loucura pra evitar que ela fique causando estragos nas nossas relações com a sociedade e com o mundo natural?
    Putz, acho que me empolguei! Desculpa se escrevi muito (e provavelmente muita bobagem, visto que não sou um estudioso do assunto). Mas enfim, são perguntas que sempre me faço. Perguntas verdadeiras, não apenas retóricas, e gostaria de saber sua opinião: será que a questão ecológica passa apenas pela falta de conscientização e pelos interesses econômicos contrários? Será que além de informação e propostas positivas de mudança de comportamento não seria igualmente importante atacar as determinantes psicológicas individuais e coletivas que nos tornam imperveáveis, refratários ao discurso ecológico que, embora muitíssimo necessário, talvez não esteja surtindo o efeito que esperamos?

  2. Edith Elek's Gravatar Edith Elek
    21 de maio de 2010 at 11:01 | Permalink

    Claudia querida

    amei o blog. Tenho uma historinha pra contar.Há cerca de duas semanas meu filho me reenviou uma mensagem de um amigo.Ambos têm tipo 35 e 33 anos.
    O amigo em questão, o Bruno, mandava um recado pra mim.Que agora que ele tinha filhos que trocam com os amiguinhos mais velhos e mais novos as roupas que já não servem, ele sempre lembra de mim porque eu dava pra ele e pra irmã as roupas pequenas dos meus filhos, que segundo ele, eram muito legais.Gostoso, né?
    Hoje vejo filhas e noras fazendo isso entre as amigas.No meu tempo herdávamos também roupas de gravidez porque eram mais específicas.Esse escambo sempre rolou na minha tribo.
    Tenho uma conhecida chic e joalheira de mão cheia que faz um brechó de amigas na casa dela no final do ano.Aliás, mesmo as jóias delas são marcantes pelo reaproveitamento de peças antigas com novo visual.

    Agora, adorei a idéia de comprar cesta de legumes e frutas.Eu fazia isso quando as crianças eram pequenas mas como tudo isso estava ainda no começo não funcionava muito legal.By the way, eu e uma amiga fizemos estudos naquela época pra abrir uma loja de produtos naturais, veja só.Eu nem lembrava mais disso.Desistimos.

    Só que são tantos fornecedores hoje em dia, não sei como escolher.Você não tem uma dica pra me dar?

    beijinhos
    E

  3. Tatiana Schibuola's Gravatar Tatiana Schibuola
    21 de maio de 2010 at 21:32 | Permalink

    Ei, Claudia!
    Faço do seu o meu dilema e, confesso, com uma pegada menos ecológica: como aproveitar tudo de bom que o mundo de hoje oferece e, ainda assim, ser sustentável? Não acredito que a saída esteja nos ianomâmis, mas certamente precisaremos encontrar um novo caminho.
    Parabéns pelo blog!!!
    Beijo,

  4. Luciana's Gravatar Luciana
    27 de maio de 2010 at 19:45 | Permalink

    Oi Claudia,
    De fato, não acho que a solução esteja em tentarmos ser como indígenas, quaisquer que sejam eles, mesmo porque não acredito nesse ideal romântico de sua total integração com a natureza. Os índios brasileiros cometiam o que hoje seriam considerados verdadeiros crimes ambientais, queimando extensas áreas de floresta como estratégia de caça etc.
    Mas acredito, sim, que o consumismo seja o cerne da questão… Acho que somos mais bichos do que gostamos de acreditar e que muitos dos nossos comportamentos “neuróticos” nada mais são que comportamentos simplesmente animais. Que a cultura venha nos salvar! Ou, melhor dizendo, que possamos desenvolver uma cultura de sustentabilidade, baseada em valores outros.
    bjs,
    Lu

  5. Lisete Massena's Gravatar Lisete Massena
    3 de maio de 2012 at 11:41 | Permalink

    Olá Cláudia.
    Parabéns pelo seu blog, passei aqui procurando dicas para a doença no meu pé de alecrim,mas não posso deixar de dar meu pitaco.Qualquer que seja o assunto,sustentabilidade,consumismo exagerado,neuroses,angústias etc. Penso que tudo começa a ser resolvido pela EDUCAÇÃO.
    Povo educado não desperdiça nada, nem roupa,nem água,nem comida,nem lixo. Tem saúde porque se alimenta bem,cuida do seu corpo,da sua mente e do seu planeta.
    Claro que temos neuroses por resolver,vejo isso na minha família, talvez por neuroses de guerra temos um estresse enorme em ter sempre uma despensa cheia,muito além do recomendável.
    Mas a medida que um povo se educa é mais fácil ir resolvendo todas essas questões. Tenho aprendido muito em alguns blogs e reportagens que tenho lido e espero que mais pessoas estejam se educando por esse meio. Sempre fui uma pessoa que procura reaproveitar tudo e ensinar como se faz,principalmente em relação a comida. Fico decepcionada com o ser humano quando vejo pessoas pondo comida fora por pura ignorância.Sei que muito ainda há que ser feito porém penso que estamos a caminho. Um abraço, Lisete.

Deixe um comentário

You can use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Simplesmente

Dá para ser muito feliz consumindo menos.

Visitantes no blog

  • 432748Visitas:

RSS

Assine este feed

Posts por categoria